Senso crítico

Para verdadeiramente valorizar a diversidade, é preciso compreender que não devemos aceitar tudo sem questionamentos – pelo contrário: é preciso ter um senso crítico aguçado para observar e interpretar a realidade. Quando desenvolvemos nosso senso crítico, nos tornamos pessoas mais interessantes. Temos muito mais pra oferecer ao mundo e sabemos que ele tem muito, muito mais, pra oferecer a nós. Ter um senso crítico apurado não significa criticar o tempo todo, reclamar das coisas, ser incisivo e intransigente em suas opiniões. Significa sim ter uma postura de reflexão constante sobre as causas e consequências do conhecimento, significa passar as informações que se recebe por um filtro, saber separar o que é verdadeiro daquilo que é fantasioso. É entender que as coisas nem sempre são o que parecem: há muito mais sob a superfície. É analisar em profundidade, estabelecer conexões entre as informações, traçar paralelos, comparativos, lançar hipóteses. Esse olhar aprofundado exige treino, e adquiri-lo faz parte de um processo contínuo e muito prazeroso. O gosto pela leitura, a curiosidade ávida por saber mais, entender melhor e mais a fundo, vai aos poucos nos auxiliando a compor nosso repertório. Quanto mais você sabe, quanto mais informações tem armazenadas em sua cabeça, mais clareza tem para enxergar novas luzes e possibilidades quando recebe novas informações. O gosto pelo diálogo, pelo debate fundamentado, pelas discussões produtivas com quem tem opiniões divergentes das suas, trazem o amadurecimento e o respeito necessários para favorecer a conquista do conhecimento. Esse mesmo, esse que é seu maior patrimônio nessa vida e que ninguém poderá jamais tirar de você. Nesse processo, não existem perdedores: todo mundo sai ganhando quando a verdade, resultante do debate e da troca de ideias, é finalmente alcançada. Na Universidade, aprendemos a fazer isso. Ao longo de toda nossa vida, seguiremos exercitando e melhorando essas